As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Devemos orar e determinar que a pessoa seja curada?



https://youtu.be/2LaWtyVK7ro

Como assim, "determinar que a pessoa seja curada"? Acaso você manda em Deus? Não determinamos coisa alguma, apenas oramos com a humildade de quem não manda em Deus e muito menos conhece sua vontade naquele caso em particular. E se Deus estiver usando daquela enfermidade para ter a pessoa junto a si caso já tenha sido salva? Ele pode querer que seus sofrimentos na terra terminem e você, ignorando a vontade de Deus, está remando contra.

Minha mãe era convertida a Cristo, estava já idosa e um câncer se alastrou por seus ossos e órgãos. Levou apenas seis meses entre o diagnóstico e a morte, e obviamente nesse período oramos por sua cura e ao mesmo tempo ela buscou ajuda nos médicos. Depois de algum tempo sofrendo os efeitos da quimioterapia e radioterapia ela decidiu que era hora de parar e apenas esperar o Senhor vir buscá-la. E assim ela ficou em absoluta paz em seus últimos dias, escolhendo a roupa com que queria ser sepultada e dando ordens finais quanto aos lugares onde guardava seus documentos e outras coisas.

Eu e minhas irmãs sempre nos lembrávamos da história que ela nos contava. Quando ainda adolescente e muito católica, sua mãe estava à morte, também vítima de câncer, e minha mãe ficava à beira da cama fazendo orações incessantes por sua cura. Um dia minha avó disse à minha mãe: "Ruth, Deus quer me levar e você com suas orações só está atrapalhando". Então ela parou de orar e minha avó faleceu.

Na véspera de o Senhor levar minha mãe, uma empregada convidou alguns irmãos de sua igreja pentecostal. O líder deles, numa atitude prepotente, queria entrar no quarto para orar pela cura de minha mãe, e não permiti. Ele ficou frustrado e ainda falou, de queixo erguido: "Enquanto há vida, há esperança!".

Mas eu sabia que se eu permitisse ele entrar sua oração seria acompanhada de toda aquela gritaria que é marca registrada do pentecostalismo, com "Eu repreendo a enfermidade! Profetizo a cura! Sai Satanás! Queima doença! Aleluia! Glória a Deus! Repreende o diabo!" e coisas do tipo. Fazer isso diante de uma pessoa moribunda e que já descansou "tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor" (Fp 1:23) não passa de crueldade religiosa. Sabia também do caso de um crente em minha cidade que, apesar da oração da "pastora", veio a falecer, e a dita "pastora" disse à família que ele morreu porque não tinha fé.

Eu, minhas irmãs e cunhados combinamos de não fazermos nenhum espetáculo no quarto quando minha mãe começasse a dar seus últimos suspiros, por isso ficamos em silêncio. É sabido que em momentos assim a pessoa pode ouvir os choros e lamentos e buscar forças para não morrer, o que só aumenta sua agonia. Você já deve ter visto nos filmes o socorrista insistir para o que foi baleado, "Fique comigo, abra os olhos, fique aqui..." É mais ou menos isso. Por isso, quando cessaram os estertores da morte, meu cunhado abriu sua Bíblia, leu um Salmo, e fez uma oração agradecendo pela vida de minha mãe que tinha partido para estar com Cristo, e também pedindo por consolo para a família. Só então deixamos fluir o choro.

Se alguém está doente, ore pela cura dessa pessoa, mas também para que Deus guie as mãos do médico se ela for passar por uma cirurgia. Ore também também para o Senhor dar coragem e consolo ao enfermo, tirar seu desconforto e outras dificuldades que vêm com a doença.

Mas eu pensaria duas vezes antes de orar por um incrédulo enfermo, porque nunca sabemos se é aquela enfermidade que Deus está usando para levá-lo a crer em Jesus. Em tudo o que fazemos devemos ter comunhão com o Pai para sabermos, não só o que e como pedir, mas também o que não pedir. E às vezes não devemos pedir porque, pedindo, por mais que parecesse lógico fazê-lo, estaríamos indo na contra-mão de sua vontade.

"E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, SEGUNDO A SUA VONTADE, ele nos ouve." (1 Jo 5:14).

http://www.respondi.com.br/2010/02/voce-nao-cre-na-cura-divina.html
http://www.respondi.com.br/2012/08/a-oracao-de-tiago-5-serve-para-qualquer.html
http://www.respondi.com.br/2005/06/como-enfrentar-doena-e-o-sofrimento.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana