As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Como Deus podia ordenar que Israel matasse pessoas?



https://youtu.be/WZxentaUdbo

Você escreveu dizendo que não entende como Deus podia ordenar ao povo de Israel que matasse pessoas de outras nações. Sua dúvida demonstra que você tem um senso moral, mas eu pergunto: de quem você recebeu esse senso moral? Os animais não o tem, isso é algo humano.

Apenas para deixar sua dúvida mais complexa, saiba que Deus não ordenava apenas a Israel que matasse pessoas; em muitas ocasiões Deus usou dos povos pagãos para aprisionar e matar os israelitas. E o desterro do povo judeu nos últimos milênios faz parte de um juízo que Deus lançou sobre esse povo por ter assassinado o Filho de Deus.

Essas indagações surgem quando nos esquecemos de quem é o dono da vida humana e tem poder para dispor dela como bem lhe aprouver. Você não iria questionar o fazendeiro da razão de ele criar gado para enviar ao matadouro, ou o dono da granja de quem deu a ele o direito de matar frangos. Tampouco fica no cais gritando para os barcos de pesca que eles não têm direito de matar peixes. Mas indaga que direito tem Deus de ordenar a morte de quem ele bem entender. Ele mesmo pode responder a você:

"Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá." (Ez 18:4). Percebe o quão fútil é questionar o oleiro da razão de ele fazer o que bem entender com seus vasos de barro que são obras de suas mãos? Ele é dono do barro e criador do vaso, então tem total direito sobre sua criação.

Quando Deus deu autoridade ao homem isso incluía poder matar alguém para manter a ordem no mundo. Imagine um mundo sem polícia e sem armas para combater os malfeitores. Já temos muita criminalidade porque os homens decidiram não obedecer a Deus que determinou a pena de morte para o homicida por meio da ordem dada a Noé. Mas esses tribunais humanos que Deus instituiu se limitam a julgar os crimes contra os homens seus semelhantes: "Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme a sua imagem." (Gn 9:6).

Mas nas situações quando Deus foi a vítima da violência, e julgou que a idolatria havia passado dos limites, ele teve todo o direito de decidir assumir o lugar do algoz para eliminar aqueles que não queriam saber de se submeterem ao seu Criador. Não eram apenas culpados de homicídio, mas de Deicídio, que é o ato de querer eliminar a Deus ou substituí-lo por um ídolo. "Pecando homem contra homem, os juízes o julgarão; pecando, porém, o homem contra o Senhor, quem rogará por ele? Mas não ouviram a voz de seu pai, porque o Senhor os queria matar." (1 Sm 2:25).

Antes que você ache que Deus não tivesse critérios na ordem que dava para eliminar determinados povos, veja por exemplo que ele não quis que os amorreus fossem eliminados porque sua medida de iniquidade ainda não tinha atingido o limite. Ele ordenou ao seu povo que postergasse a tomada daquela terra, dizendo: "E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia." (Gn 15:16).

Hoje temos autoridades às quais devemos nos submeter, e elas andam armadas porque receberam de Deus o poder de tirar a vida de alguém que possa ser uma ameaça a pessoas inocentes.

"Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal." (Rm 13:4).

Que direito tem ele de fazer isso? Como já disse, a vida pertence a ele, e nós humanos somos apenas arrendatários dela para que a utilizemos da maneira melhor segundo os critérios dele. E saiba que nem mesmo os cristãos estão livres de serem mortos hoje por Deus, por aquilo que a Bíblia chama de "pecado para morte" (1 Jo 5:16). Na Palavra de Deus temos alguns exemplos desse pecado que pode justificar que Deus tire a vida de um cristão por não servir mais de testemunho para ele neste mundo e apenas causar estorvo:

"Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus. E Ananias, ouvindo estas palavras, caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram. E, levantando-se os moços, cobriram o morto e, transportando-o para fora, o sepultaram.  E, passando um espaço quase de três horas, entrou também sua mulher, não sabendo o que havia acontecido. E disse-lhe Pedro: Dize-me, vendestes por tanto aquela herdade? E ela disse: Sim, por tanto. Então Pedro lhe disse: Por que é que entre vós vos concertastes para tentar o Espírito do Senhor? Eis aí à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e também te levarão a ti. E logo caiu aos seus pés, e expirou. E, entrando os moços, acharam-na morta, e a sepultaram junto de seu marido. E houve um grande temor em toda a igreja." (At 5:3-11).

Paulo aos Coríntios: "Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus." (1 Co 5:3-5). 

Um apóstolo tinha essa autoridade de entregar a Satanás um blasfemo para que fosse morto, mesmo sendo convertido, para que o espírito fosse salvo. "E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar." (1 Tm 1:20).

Em Corinto também existiam muitos que tinham adoecido e perdido a vida por falta de respeito para com o Senhor na ceia que ele instituiu. Mas ali a repreensão de morte não vinha de um apóstolo, mas era aplicada pelo próprio Senhor, algo que ainda pode acontecer em nossos dias. Os "que dormem" na passagem significa os crentes que tinham morrido:

"Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice.  Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo." (1 Co 11:28-32).

http://www.respondi.com.br/2008/03/por-que-o-deus-do-antigo-testamento-era.html
http://www.respondi.com.br/2008/03/por-que-deus-mandou-matar-nacoes.html

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana