As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Teria sido possivel no Antigo Testamento alguem guardar toda a Lei?



https://youtu.be/LisRm21GjrI

Você pergunta se teria sido possível alguém no Antigo Testamento guardar todos os mandamentos da Lei, ou como diz a passagem, andar "sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor", como é dito de Zacarias e Isabel em Lucas 1:6. Não, a Palavra de Deus deixa muito claro que ninguém era capaz de guardar a Lei toda, pois se falhasse em um ponto era culpado de todos. "Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos. Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu pois não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei." (Tg 2:10-11).

Mas Deus podia sim justificar o ímpio e considerá-lo justo pela fé, como se estivesse quites para com Deus. E foi exatamente neste ponto que o apóstolo Paulo compreendeu sua impossibilidade de ser justificado pela lei: "eu não conheceria a concupiscência se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, obrou em mim toda a concupiscência: porquanto sem a lei estava morto o pecado" (Rm 7:7-8). E a situação fica mais grave ainda quando vemos que, pelo que o Senhor disse em Mateus 5:21-22, 27-28, qualquer mandamento pode ser transgredido só em pensamento.

O que acontece com passagens como a que leu em Lucas 1:6, onde é dito que Zacarias e Isabel andavam "sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor" é que aquela era a opinião que Deus tinha deles, pois ele é o Deus que justifica o ímpio que crê, e não o que guarda a Lei. Paulo explica melhor em sua carta aos Romanos:

"Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus. Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça. Assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras, dizendo: Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, E cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado." (Rm 4:1-8).

Se você ler Hebreus 11 verá uma série de pessoas cuja fé é mencionada, mas se ler sobre a vida delas no Antigo Testamento verá que todas cometeram pecados e transgrediram a Lei. Até mesmo Ló, que teimosamente foi morar em Sodoma em meio à corrupção, é chamado de justo por Deus no Novo Testamento: "E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis (Porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, vendo e ouvindo sobre as suas obras injustas)." (2 Ep 2:7-8).

Também descobrimos que o profeta Elias, tão poderosamente usado por Deus no Antigo Testamento, é chamado de homem sujeito às mesmas paixões que nós, ou seja, falho e suscetível de pecar. "Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto." (Tg 5:17-18).

O caso de Cornélio também entra nessa categoria de alguém que tinha vida nova e era visto como justo aos olhos de Deus.

"E havia em Cesareia um homem por nome Cornélio, centurião da coorte chamada italiana, piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de contínuo orava a Deus. Este, quase à hora nona do dia, viu claramente numa visão um anjo de Deus, que se dirigia para ele e dizia: Cornélio. O qual, fixando os olhos nele, e muito atemorizado, disse: Que é, Senhor? E disse-lhe: As tuas orações e as tuas esmolas têm subido para memória diante de Deus." (At 10:1-4).

A menos que você entenda a justificação pela fé explicada em Romanos 4 irá considerar uma incoerência em Atos dizer que Cornélio era "piedoso e temente a Deus", considerando que em Romanos 3 diz que ninguém teme a Deus:

"Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; Com as suas línguas tratam enganosamente; Peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos." (Rm 3:10-18).

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana