As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Devo rejeitar a versao grega Septuaginta?



https://youtu.be/gEDkq2meBjM

Você me enviou uma mensagem irada criticando um pastor presbiteriano por ter dito algo em um vídeo contrário à Igreja católica, dizendo que os livros deuterocanônicos — aqueles que existem a mais no Antigo Testamento das versões católicas da Bíblia —, teriam sido acrescentados no Concílio de Trento. Então você dispara, dizendo:

"O concílio de Trento apenas reafirmou os livros deuterocanônicos. O cânon protestante é diferente do cânon católico porque aquele é mais parecido com a Septuaginta dos 70 rabinos de Alexandria. Peço que os evangélicos mandem o reverendo estudar mais para deixar de ser burro.".

Considerando que você dirigiu esta mensagem a mim através do Messenger de meu perfil no Facebook, fico em dúvida se você foi alfabetizado o suficiente para conseguir ler em meu perfil que meu nome é Mario Persona, e não o "reverendo" que mencionou. Se você tem alguma reclamação a fazer ao "reverendo" que mencionou, que faça a ele, não a mim. Não me lembro de ter escrito ou falado alguma coisa sobre a Septuaginta, e também não sou "reverendo" ou pastor protestante ou evangélico.

Mas já que tocou no assunto com tanto desprezo pela versão dos 70, conhecida como Septuaginta, talvez você não saiba que existem passagens no Novo Testamento em que os autores inspirados que escreveram em grego evangelhos e epístolas podem ter ido buscar na Septuaginta as citações que usaram. Compare algumas delas com o Antigo Testamento hebraico, usado pelos judeus e que serve de base para a mesma porção das versões que temos hoje. Vou usar a versão católica da CNBB para você não ter dúvidas.

Como é Deuteronômio 6:13 no Antigo Testamento derivado do hebraico: "Temerás o Senhor teu Deus, a ele servirás e só por seu nome jurarás.".

Como Mateus e Lucas escreveram a menção que Jesus fez da mesma passagem nos evangelhos: “Vai embora, Satanás, pois está escrito: Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a ele prestarás culto.” (Mt 4:10). “Está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele prestarás culto.” (Lc 4:8).

O Salmo 8:3, como está no Antigo Testamento: "Da boca das crianças e dos lactentes te procuras um louvor contra os teus adversários, para reduzir ao silêncio o inimigo e o rebelde.".

O mesmo Salmo quando saído da pena de Mateus como tendo sido citado por Jesus: "Interpelaram-no: 'Estás ouvindo o que dizem?' — 'Sim, estou', respondeu Jesus. 'Nunca lestes nas Escrituras: Da boca dos pequeninos e das criancinhas preparaste um louvor’?” (Mt 21:16).

Se os evangelistas acharam a versão grega boa o suficiente para a utilizarem em suas citações, por que você não? O que você conhece que eles não conheciam? Talvez um exemplo melhor seja uma citação feita pelo apóstolo Paulo que mostra claramente ter vindo da Septuaginta, e não do texto Masotérico. Veja como a passagem difere nas versões hebraica e grega:

Salmo 14:3 - Texto Masotérico: "Todos se extraviaram, são todos corruptos; ninguém mais faz o bem, nem um sequer." (CNBB)

Salmo 14:3 - Septuaginta: "Todos se afastaram do caminho, tornaram-se de serventia alguma; não há ninguém que faça o bem, nem um sequer. A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; veneno de víbora está nos seus lábios e sua boca está cheia de maldição e de amargura; são os seus pés ligeiros para derramar sangue; em seus caminhos há destruição e miséria; o caminho da paz, entretanto, não conheceram: não há temor de Deus diante de seus olhos."

Agora veja como Paulo citou o mesmo Salmo em Romanos 3:12-18: "Todos se afastaram, tornaram-se inúteis, não há que faça o bem, não há nem um sequer. Sepulcro aberto é sua garganta; com línguas enganaram; veneno de áspides têm sob seus lábios, cujas bocas são cheias de maldição e amargura. Velozes são seus pés para verter sangue, quebrantamento e miséria há em seus caminhos; não conheceram o caminho da paz, não há temor diante de seus olhos.". Não lhe parece que ele usou a Septuaginta em sua citação?

Existem muitas outras citações da Septuaginta, mesmo no Novo Testamento de versões católicas, o que demonstra que seus tradutores já utilizavam essa versão ou uma parecida antes dos protestantes terem feito isso séculos mais tarde. Como costumava dizer um amigo, os protestantes deviam demonstrar sua indignação dizendo: "Oh! Os antigos nos copiaram!".

Sugiro a leitura de "Walter Scott : The Story of our English Bible : 2 The Perfection of and Verbal Inspiration of the Scriptures", de onde extraí a seguinte porção:

A Bíblia, a Palavra de Deus

Ainda resta um ponto para o qual gostaríamos de fazer uma breve referência. Alguns hesitam em denominar a Bíblia de "A Palavra de Deus", sob a alegação de que é apenas uma tradução. Mas é bem sabido que os manuscritos originais  hebraico — que procedem diretamente da pena de Moisés, Isaías e outros escritores inspirados — não existiam durante a época da permanência de nosso Senhor na terra, e ainda, que a mais antiga de todas as traduções, a Septuaginta ou versão grega dos Oráculos do Antigo Testamento, estava então em uso geral na Palestina. De fato, esta foi a única tradução comumente usada até o começo do quarto século, e foi universalmente considerada nos primeiros tempos cristãos como tendo sido traduzida do hebraico sob especial influência Divina. Orígenes estava parcialmente familiarizado com a língua hebraica. Jerônimo, no entanto, que era um estudioso hebreu competente — o primeiro dos chamados "Pais" — descartou a Septuaginta como autoridade, e estudou e expôs o Antigo Testamento a partir do original em que foi escrito — o hebraico.

Ora, o importante fato que trazemos aos nossos leitores é o seguinte: que o Senhor, os Apóstolos e os primeiros escritores cristãos reverberaram as páginas dessa venerável tradução (Septuaginta), lendo, citando e referindo-se a ela como a Palavra de Deus. Muitas citações encontradas no Novo Testamento são desta tradução grega; outros, claro, são do hebraico. Ora, existiria alguma diferença em princípio entre uma tradução em língua inglesa e uma em grego? A questão é simples. Será que não temos as próprias palavras de Deus expressadas em grego, inglês ou francês? Sim, temos. Ora, foi exatamente com essa cópia grega do Antigo Testamento que Timóteo estava familiarizado desde a infância. Foi a essa que o Espírito Santo através de Paulo, chamou de "As Sagradas Escrituras", ao declarar sua total inspiração, além de juntá-las àquelas então ainda não escritas, ao dizer: "Toda a Escritura é divinamente inspirada" (2 Tm 3:15-16).

Cópias da Septuaginta rapidamente se multiplicaram através da diligência de escribas, do mesmo modo como é feito agora com a Bíblia completa, com a ajuda da impressão. Naquela época era a Palavra de Deus, embora estivesse em grego; agora é a Palavra de Deus, embora esteja em inglês. Traduções e cópias multiplicadas, sejam escritas ou impressas, não afetam de maneira nenhuma a questão da inspiração e nem o caráter e atribuição divina da Bíblia como sendo de fato a Palavra de Deus. - Traduzido de "Walter Scott : The Story of our English Bible: 2 The Perfection of and Verbal Inspiration of the Scriptures".

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana