As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

O cristianismo foi transformado em paulinismo?



https://youtu.be/3UgGJ-CiGA0

Você escreveu dizendo que estava pesquisando na internet sobre o Cristianismo em geral, e ao ler um texto sobre o apóstolo Paulo percebeu que o autor era contra os ensinamentos dele. Depois viu outros que também afirmavam que Paulo ensinava coisas diferentes ou opostas ao que Cristo ensinou. Então você disse que foi conferir e encontrou mesmo afirmações de Paulo que são diferentes das de Jesus. Depois disso você perguntou: Será por isso que muitos hoje afirmam que "o cristianismo foi transformado em paulismo"?

Primeiro, você deve ter observado que muitas coisas que Jesus disse nos evangelhos também são diferentes de coisas que ele próprio disse no Antigo Testamento quando se apresentava aos hebreus como Jeová. Sim, isso mesmo, você não me entendeu mal. Muitos cristãos não percebem que Jesus e Jeová são uma mesma e única Pessoa, apenas agindo em diferentes contextos. Você deve ter notado Jesus dizer algumas vezes nos Evangelhos algo como "..vos foi dito" e depois retificar "...eu porém vos digo". Só isso já deveria dar aos que não entendem as dispensações uma pista de que Deus tem tratado com a humanidade de maneiras diferentes ao longo das eras.

Quando chegamos à revelação dos mistérios dada a Paulo, dentre estes a verdade da Igreja, descobrimos que por meio do apóstolo o Espírito Santo de Deus estava falando de um povo diferente do Israel que encontramos no Antigo Testamento, ou dos judeus nos Evangelhos. No Antigo Testamento, e também nos Evangelhos, Deus tratou com um povo para o qual preparou por herança um reino "desde a fundação do mundo" (Mt 25:34).

A partir de Atos 2 encontramos um povo celestial formado por pessoas tiradas dentre judeus e gentios e eleitas em Cristo "antes da fundação do mundo" (Ef 1:4). Percebe a diferença? Deus tem um povo escolhido "desde" a fundação do mundo, e outro "antes" da fundação do mundo, ou seja, na eternidade. Para o homem espiritual não é surpresa ver que nas diferentes eras e com diferentes revelações Deus tratou de maneiras diferentes com diferentes povos e situações.

Mas voltando à sua dúvida, que é a do abandono generalizado, pela cristandade, da sã doutrina revelada a Paulo, você já deve ter reparado no modo como a cristandade tem namorado com o Antigo Testamento nos últimos séculos, copiando seus rituais, construindo templos inspirados no de Jerusalém, adotando uma classe clerical para governar sobre os laicos, e até chamando de altar o púlpito ou mesa à frente de suas congregações. Mais recentemente o enfoque tem sido dado nas promessas de prosperidade material e bênçãos terrenas.

Portanto existe em mim um misto de tristeza e alegria quando vejo alguém que se diz cristão criticar o ministério do apóstolo Paulo. Tristeza por ver desprezarem Paulo, aquele vaso que Deus escolheu para a ele fazer as revelações mais preciosas e elevadas da Verdade. Alegria por enxergar nisso mais uma evidência de que a apostasia está à porta, e antes dela a Igreja será tirada da terra.

Esses loucos que, querendo parecer sábios, desprezam o apóstolo Paulo ainda não perceberam que se arrancassem do Novo Testamento suas epístolas ficariam com muito pouco e até mesmo sem nenhum entendimento do que é a graça de Deus, a Igreja e o destino celestial do crente e outras verdades preciosas. Sim, ficariam com os evangelhos e com as palavras de Jesus, como alguns gostam usar como argumento.

Mas aí eu pergunto: Seriam mesmo os dizeres de Jesus nos evangelhos as suas palavras tim-tim por tim-tim? Ou não seriam elas as palavras que o Espírito Santo revelou aos discípulos como sendo palavras de Jesus, para que as escrevessem e as tornassem parte do volume da revelação divina?

Se você disser que eram as palavras que os autores dos evangelhos escutaram da boca de Jesus, então qual deles estava com Jesus quando ele subiu sozinho a orar antes da crucificação, e disse estas palavras de agonia: " Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua." (Lc 22:42). Se você acha que tinha algum discípulo espiando entre os arbustos, continue lendo para entender que "levantando-se da oração, veio para os seus discípulos, e achou-os dormindo de tristeza" (Lc 22:45).

Teriam eles sonhado com o que Jesus disse em sua oração? Não, eles só poderiam saber o que Jesus orou ali se o Espírito Santo lhes revelasse mais tarde, bem mais tarde, umas três ou quatro décadas mais tarde. E o que dizer do "anjo do céu, que o fortalecia", ou de "seu suor [que] tornou-se em grandes gotas como de sangue, que corriam até o chão"? (Lc 22:43-44). Ninguém teria conhecimento daquilo a não ser por revelação.

E quanto os evangelhos falam do que Jesus estava sentindo, quando passagens como "o Senhor moveu-se de íntima compaixão" ou "Jesus, vendo o pensamento de seus corações" revelam o íntimo do Senhor, aquilo que ninguém poderia saber que ele estava sentindo ou experimentando a menos que fosse conhecido por revelação. Então a menos que você queira ter um entendimento bem raso das Escrituras, como o desses que desprezam a Paulo, entenda que temos em mãos uma revelação. Sim, comprovada por fatos até onde estes podem ser comprovados — como Lucas diz ter pesquisado —, mas em última instância um volume inspirado.

Uma das palavras de Jesus que é desconsiderada pelos que desprezam o apóstolo Paulo, é que ele não disse tudo o que seus discípulos precisavam saber. Ainda estando aqui ele deixou claro que haveria coisas que só seriam reveladas depois aos apóstolos e profetas da Igreja. Veja o que Jesus diz:

"Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar." (Jo 16:12-14).

Conforme havia prometido, foi esse mesmo Espírito de verdade quem revelou a Paulo as coisas que ele escreveu em suas epístolas, começando com uma frase que nem mesmo os evangelistas registraram nos Evangelhos, e que Lucas registra no livro de Atos como saída da boca de Paulo: "Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber." (At 20:35).

Foi do próprio Jesus que Paulo recebeu a revelação da ceia do Senhor para ser celebrada DEPOIS de sua morte, ressurreição e ascensão aos céus, e não dos discípulos que ouviram as palavras de Jesus antes de sua morte ao instituir a ceia ainda em conexão com a Páscoa judaica. Em 1 Coríntios 11:23 Paulo diz: "Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei". Não foi dos outros apóstolos que Paulo obteve essa informação, mas a recebeu do próprio Senhor. Ele conta sua experiência em Gálatas:

"Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça, revelar seu Filho em mim, para que o pregasse entre os gentios, não consultei a carne nem o sangue, nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco. Depois, passados três anos, fui a Jerusalém para ver a Pedro, e fiquei com ele quinze dias. E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor." (Gl 1:15-19).

Mas não é novidade que muitos líderes na cristandade hoje rejeitem a Paulo, porque essa atitude soberba já podia ser encontrada entre os de Corinto, e Paulo revela isso ao dizer: "Visto que buscais uma prova de Cristo que fala em mim" (2 Co 13:3). Isso vinha do orgulho e sentimento de autossuficiência, como ele mesmo denuncia em 1 Coríntios 4:7-8 acrescentando uma pitada de sarcasmo em suas palavras: "Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido? Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco!".

E o que dizer da autenticação que o próprio apóstolo Paulo dá às palavras escritas por ele e pelos outros apóstolos e profetas da Igreja, como vindas do Espírito de Deus? Os apóstolos as escreveram, palavra por palavra, como ele explica em 1 Coríntios 2:10-13:

"Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra TODAS AS COISAS, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus [as 'coisas' do vers. 10]. As quais [coisas] também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as [palavras] que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais.".

Pedro, um dos discípulos que andou com Jesus [digo isto porque Paulo iria se converter só depois de Jesus ter morrido, ressuscitado e ascendido aos céus], deixou claro que os escritos de Paulo tinham tanta autoridade quanto "as outras escrituras", referindo-se obviamente ao cânon do Antigo Testamento que era o que tinha sido compilado até ali.

"E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, E IGUALMENTE AS OUTRAS ESCRITURAS, para sua própria perdição." (2 Pe 3:15-16).

Leia de novo. Paulo escreveu sobre a longanimidade ou paciência de nosso Senhor, não de sua própria sabedoria, mas "segundo a sabedoria que lhe foi dada". Evidentemente "em todas as suas epístolas... há pontos difíceis de entender", que deveriam ser simplesmente recebidos e ponderados aguardando entendimento da parte do Espírito Santo. Mas "os indoutos e inconstantes" fazem isso? Não! Eles torcem ou distorcem os escritos de Paulo, com fazem também com "as outras Escrituras". Que parte terão no final? "Sua própria perdição", porque Pedro está falando aqui do espírito que identifica os apóstatas, aqueles que negam a verdade das Sagradas Escrituras, e isso inclui negar os escritos de Paulo.

Eu disse que quando vejo esses "indoutos e inconstantes" fazerem isso me dá um misto de tristeza e alegria, então agora me deixe explicar o motivo da tristeza. Se você entender que todas as "segundas epístolas" dos apóstolos têm um caráter profético, e que não é sem razão que a segunda de Paulo a Timóteo é também sua última carta antes de morrer, perceberá em que condição estava Paulo nos últimos dias:

"Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério. Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda. Procura vir ter comigo depressa, porque Demas me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica, Crescente para Galácia, Tito para Dalmácia. Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério. Também enviei Tíquico a Éfeso. Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos. Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males; o Senhor lhe pague segundo as suas obras. Tu, guarda-te também dele, porque resistiu muito às nossas palavras. Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam." (2 Tm 4:3-16).

Percebe o estado das coisas quando chegassem no "tempo em que não suportarão a sã doutrina" (2 Tm 4:3)? No tempo em que "desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas" ou meras teorias humanas? O restante do texto fala da rejeição a Paulo por muitos que antes pareciam ser seus companheiros, e é o que você encontra hoje na cristandade. Então se existe tristeza por tantos estarem rejeitando "a sã doutrina", existe regozijo por saber que o Senhor está à porta. Vivemos nesse tempo, que é o epílogo da história da Igreja na terra. "Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus." (Ap 22:20).

Então, quando encontrar um texto ou livro ou pregador que fale com desdém do apóstolo Paulo, dando a entender que ele e seus escritos não sejam dignos de total confiança, ou que eram apenas devaneios de um solteirão recalcado e antifeminista, simplesmente jogue fora o texto ou, se for alguém pregando isso em algum lugar, vire as costas e deixe o infeliz falando sozinho. A Bíblia deixa muito clara a maneira como hereges e inimigos da verdade devem ser tratados, e não tem nada de politicamente correto no modo como devemos agir. No fundo pessoas assim estão fazendo o mesmo que fez o incrédulo Festo, quando disse: "Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar." (At 26:24).

"Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o,  sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado." (Tt 3:10-11).


por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana